Área do Corretor

Faça seu login com as suas credenciais.

Informe seu contato

Verifique o preenchimento dos campos destacados
Sua mensagem foi enviada com sucesso.

Blog

21 de maio de 2018

PCH é matriz energética sustentável para o Pantanal

Muito se fala sobre sustentabilidade como principal alternativa do uso consciente dos recursos naturais, porem, de forma equivocada, pouquíssimas ações sustentáveis são identificadas de imediato por segmentos que defendem a preservação ambiental como um todo, principalmente quando a temática envolve novas matrizes energéticas. E, justamente poderia ser o contrário, diante da quantidade e dos benefícios que representam as (PCHs) “Pequenas Centrais Hidrelétricas”, que estão em processo de implantação, tanto em Mato Grosso, como em inúmeros outros estados brasileiros, e até em outros países que procuram diversificar matrizes energéticas, utilizando fontes alternativas, buscando sempre menores impactos ambientais e menor custo, ou seja, um modelo altamente eficaz do ponto de vista econômico e ambiental.

Para o professor, Rubem Mauro Palma de Moura, engenheiro civil, especialista em Hidráulica e Saneamento pela USP e Mestre em Ambiente e Desenvolvimento Regional pela UFMT, onde por 36 anos atuou como professor e sendo inclusive um dos criadores do Curso de Engenharia Sanitária e Ambiental, coordenador e chefe do Departamento da ESA por vários mandatos, tendo atuado ainda nas áreas de Saneamento e Meio Ambiente com ênfase na Dinâmica Hídrica Pantaneira, explica que existe muita falta de conhecimento técnico ambiental por membros de organizações que afirmam prejuízos ambientais com as instalações de PCH´s.

“Não posso aceitar imposições teóricas, sem que apresentem comprovações técnicas, da mesma forma que não posso falar com propriedade de projetos implantados ou em implantação de PCHs, dos quais não analisei, porem, conheço com profunda propriedade implantações de alguns empreendimentos no Planalto mato-grossense. Como o nome já diz PCHs, “ Pequenas Centrais Hidroelétricas” são de baixo impacto ambiental, pois são a fio d´água, com ou sem reservatórios. Não podem ser monitoradas pelo Sistema Nacional de Energia, disponibilizando a vazão natural, ou seja, a que entra no sistema deve ser a mesma que será devolvida a ele. O ideal é que não interfiram na migração dos peixes para a sua reprodução. Para tanto, no Planalto da Bacia Pantaneira, os Rios em que no leito natural há quedas d’água que impedem a subida para o processo de reprodução é o ideal. Este modelo não interfere no regime hídrico dos rios, e por definição, todas as Hidroelétricas são não consuntivas, ou seja, não consomem água, usa-as para produzir a energia que tanto precisamos e a devolvem aos leitos naturais após alguns minutos, sem alteração de quantidade e qualidade”, explica o professor.

Ainda na avaliação de Rubem Mauro é preciso explicar à sociedade, diferentemente do que dizem os falsos ambientalistas que essas PCHs estão sendo implantadas no Planalto, e não na Planície Pantaneira, onde seria impossível, uma vez que nesse ambiente apesar de existir água, não há desnível, elemento indispensável para a geração de energia. “Os peixes não escalam cachoeiras e nem praticam maratona, a distância média que percorrem para o desenvolvimento do aparelho reprodutivo, ficam em média em 60Km. Uma das PCHs mais contestadas,  em implantação no Rio Mutum,  está a mais de 80km da Baia de Sai Mariana”, explica.

A afirmação de que uma PCH pode ajudar o Pantanal e não destruí-lo, parte do pressuposto de que os pequenos reservatórios destes empreendimentos podem reduzir o assoreamento dos rios. “Sendo assim funciona como caixa de areia, impedindo que o transporte de sedimento causado pelas atividades agropecuárias, chegue à Planície Pantaneira”, sintetiza.

Alto Custo energético

Ainda neste contexto é importante ressaltar que os brasileiros vivem um dilema anual de aumentos expressivos no custo da energia devido à necessidade de acionamento das termelétricas para suprir a demanda ocasionada pelas baixas de volume de águas nos grandes reservatórios.

“Especialistas afirmam que se fosse possível construir inúmeras PCHs, e que juntas pudessem produzir a mesma energia que uma ITAIPU, estas seriam mais baratas, menos impactantes ao meio ambiente e equilibrariam mais o sistema de distribuição, assim como trariam mais benefícios econômicos e financeiros aos Municípios onde estão instaladas. O mundo todo gostaria de ter a disponibilidade hidroelétrica que temos para produzir energia limpa, o que nos leva a crer que avaliações negativas de Organização Não Governamentais, traz no seu posicionamento algo não confessável”, analisa.

Uma Pequena Central Hidrelétrica (PCH) é toda usina hidrelétrica de pequeno porte cuja capacidade instalada seja superior a 5 MW e inferior a 30 MW. Além disso, a área do reservatório deve ser inferior a 300 hectares (3 km²), apresentando menores impactos ambientais. Ou seja, com estas características ao contrário de uma usina hidrelétrica de grande porte, as PCHs não necessitam de grandes reservatórios para armazenagem de volumes de água.

 

Inscreva-se em nossa newsletter!

E receba promocões e novidades do mercado de ímovel no seu email

Central de Vendas
(65) 3627.5555
Assessoria de Imprensa
(65) 3056.7280
Locação
(65) 3056.7219