Área do Corretor

Faça seu login com as suas credenciais.

Informe seu contato

Verifique o preenchimento dos campos destacados
Sua mensagem foi enviada com sucesso.

Blog

3 de janeiro de 2018

Amortização de empréstimos: entenda mais sobre essa questão

Algo que se tem de ter em mente na hora de adquirir valores emprestados junto às instituições financeiras é como realizar a amortização de empréstimos. Ela consiste no pagamento das parcelas anteriormente acordadas para a extinção da dívida contraída.

No post de hoje reunimos algumas informações para você acerca de como calcular a amortização de empréstimos e como ela é aplicada. Essa é uma questão essencial caso você esteja pensando em obter algum crédito junto aos bancos. Continue conosco e tome nota!

Amortização de empréstimos
Como dito, se trata do pagamento de cada parcela do contrato de empréstimo, e as suas quitações promovem a amortização — diminuição da dívida. Podemos conceituá-la como a redução parcial do débito.

Em toda a dívida existe a incidência de juros sobre o capital emprestado, por isso as parcelas referentes a um empréstimo são mais altas que o valor de amortização sobre o capital total. Ou seja, o que está sendo amortizado é o valor da parcela decrescido de juros.

Existem alguns sistemas de amortização de dívidas que podem ser utilizados na hora da contratação de um empréstimo. Cada um deles possui características próprias. No Brasil, a maioria das instituições financeiras utilizam da Tabela SAC e Tabela Price para a concessão de crédito.

Tabela SAC
A sigla SAC quer dizer Sistema de Amortização Constante, que também é conhecida por método Hamburguês. A sua característica principal são pagamentos decrescentes com uma amortização constante.

É muito comum ser utilizada no sistema imobiliário. Para financiamentos a longo prazo é normal a prática de correção monetária seguindo a taxa referencial para compensar efeitos da inflação.

Tabela Price
É conhecido como sistema de parcelas fixas ou Sistema Francês. A sua característica principal são parcelas mensais iguais, embutidas com uma amortização crescente.

É o modelo mais utilizado para empréstimos bancários e financiamentos de carros. Nele, todos os pagamentos são de igual valor, porém no início das prestações a maior parte da parcela são juros, com o tempo a amortização cresce e os juros diminuem.

Sistema Americano
Esse sistema não é utilizado hoje no Brasil, mas a sua característica é o pagamento de parcelas compostas totalmente de juros, é a quitação total da dívida em determinado ponto no tempo, por meio de um único pagamento.

Pagamento Único
Podendo ser encontrado no empréstimo de pequenos valores, ao final do tempo estipulado na contratação, o cliente deverá realizar a quitação de uma só vez da dívida junto aos seus juros.

Qual a melhor opção para amortização
Sempre que for possível escolher o sistema de amortização de seus empréstimos a melhor opção é a Tabela SAC, isso porque a parcela é decrescente e ao final do pagamento da dívida, o valor terá sido menor que o pago na Tabela Price.

O que pode pesar um pouco na escolha é que a primeira parcela da Tabela SAC é sempre mais cara que a apresentada na contratação de um empréstimo utilizando a Tabela Price.

É preciso levar em consideração que em menos da metade do tempo de amortização da dívida, o valor pago em uma parcela sob o sistema da Tabela SAC já será menor que o pago sob o sistema da Tabela Price.

Optar pelo Sistema de Amortização Constante ou crescente pode fazer com que você poupe cerca de 10% sobre o valor da dívida em juros que seriam pagos no outro modelo de amortização. Pensando no crédito imobiliário, no qual os valores dos contratos são muito altos, esses juros são uma grande economia.

Juros
Antes de falarmos sobre o cálculo de amortização, precisamos discutir sobre outro ponto que incide sobre o valor das parcelas: os juros. Eles são a remuneração do dinheiro no tempo e é o preço cobrado pelos serviços de empréstimo realizado pelas instituições financeiras.

Seu cálculo é dado por um percentual sobre determinado valor. No caso de empréstimos, temos uma situação de juros sobre juros, ou seja, todo mês é realizado o cálculo sobre o total do saldo devedor e não sobre o valor inicial da dívida.

Por isso podemos observar que a Tabela SAC se destaca pelo pagamento de menos juros, já que as suas parcelas são maiores no início dos pagamentos, o valor do saldo devedor tende a cair e minimizar os juros futuros, o que não acontece na Tabela Price.

Cálculo de amortização
O cálculo das parcelas de amortização e dos juros a pagar em cima de um empréstimo vai depender dos valores contratados e da instituição bancária que realizará a entrega do valor.

Na maioria dos bancos, eles já contam com sistemas de cálculo prontos, bastando inserir o valor pretendido, que o mesmo já informa todas as possibilidades de amortização.

Caso você queira conferir os valores, ou até mesmo fazer uma simulação em casa, vamos mostrar como realizar o cálculo de amortização de um empréstimo de um mesmo valor utilizando a Tabela SAC e a Tabela Price.

Tabela Price
Esse sistema de amortização é um pouco mais complexo e se utiliza de juros compostos para a formação das parcelas. A fórmula pode ser descrita como Valor do Empréstimo vezes Taxa de Juros dividido por 1 menos 1 dividido por 1 mais a taxa de juros elevado ao prazo.

Para melhor exemplificar, digamos que você pegue um empréstimo de R$1.000.000,00 para o pagamento em 5 parcelas anuais. As parcelas serão fixas e calculadas pela fórmula descrita acima.

O valor amortizado anualmente será o valor da parcela menos o valor dos juros. Para uma taxa de 10% ao ano, teremos 5 parcelas de R$264.000,00 e um valor total pago ao final de R$1.320.000,00.

Tabela SAC
Já o cálculo para o Sistema de Amortização Constante é muito mais simples. O valor amortizado é fixo e os juros acabam diminuindo ao longo do tempo de quitação das parcelas. Basta dividir o saldo devedor pelo número de parcelas e acrescentar a taxa de juros mensalmente.

Podemos utilizar o mesmo exemplo acima, um empréstimo de R$1.000.000 para o pagamento em 5 parcelas anuais. Ao dividir o valor total por 5, teremos uma amortização de R$200.000,00 na primeira parcela, com uma taxa de juros de 10%, e é só acrescentar o valor de R$100.000,00.

Então, a nossa primeira parcela é de R$300.000,00. Já a última parcela será de R$200.000,00 de amortização, mais R$20.000,00 de juros, ou seja R$220.000,00. Ao final de todos os pagamentos terá sido repassado um valor de R$1.300.000,00, menor que com a Tabela Price.

Agora que você já conhece um pouco mais sobre amortização de empréstimos, você já pode se sentir mais seguro ao recorrer as instituições bancárias e pode escolher com mais propriedade a opção mais vantajosa para você.

Gostou dessas informações? Quer receber mais? Assine a nossa newsletter!

Inscreva-se em nossa newsletter!

E receba promocões e novidades do mercado de ímovel no seu email

Central de Vendas
(65) 3627.5555
Assessoria de Imprensa
(65) 3056.7280
Locação
(65) 3056.7219